Sob Olhos Sombrios Pt.2

Mas não era somente a gentileza que toldava os muros daquela casa.

Havia uma aura estranha. Sombria. Como se algo pegajoso e denso profanasse aquelas paredes.

Ernest se sentia acolhida, paparicada e aceita. Mas aquela aura estranha a intimidava. Como o roçar gélido do vento na madrugada, infiltrando-se pelo corredor escuro e tocando suas pernas num sedoso roçar.

Ela se estremecia toda e corria para o quarto, abrigando-se debaixo das cobertas. Pensando na mãe que a deixara, na solidão angustiante e no silêncio assustador que ecoava pelo hall.

Mark estava sempre calado, perdido em seus pensamentos. O charuto cubano pendendo em seus lábios enquanto degustava a dose de conhaque, sentado em sua poltrona.

Joy sustentava o silêncio do marido, alisando a aliança dourada pousada no dedo ossudo. Seus olhos eram inesgotáveis.

Somente Racoon parecia lidar, realmente, com a tristeza, extravasando a raiva e decepção com o heavy metal num som particularmente alto – o que parecia zombar e desafiar Mark.

Continuar lendo “Sob Olhos Sombrios Pt.2”