Galamadriel – Espelhos do Tempo

 

espelhos

Por L. Orleander

I’ll tear you down
I’ll make you bleed eternally
Can’t help myself
From hurting you when it’s hurting me
I don’t have wings
To fly with me won’t be easy
‘Cause I’m not an angel
I’m not an angel… ¹

Continuar lendo “Galamadriel – Espelhos do Tempo”

Galamadriel Pt.18 – Vingança

Por Lillithy Orleander

 

Miguel

Lúcifer enfiou a mão cheia de garras, onde havia ficado o buraco da bala de calibre 12 que desfigurará seu rosto demoníaco. Ele olhou para Paul de soslaio, de modo vago, enquanto lançava – lhe um sorriso sarcástico.

-Humano, Paul? – perguntou ele com esgar na voz. – Para um dos demônios mais arrogantes do Inferno, você não terminou exatamente como queria, não é mesmo?

Ele passou a mão na face novamente e a pele se transmutava, ganhando as feições suaves e angelicais, a qual ele ainda mantinha na maior parte do tempo para agradar e não assustar aqueles que queria enganar ou manter ao seu lado. Enquanto ele olhava as mão sujas com seu sangue.

O zunido da arma feria o vento, feito um flash prateado cortando o céu, por fim silenciando de imediato, o tridente de Lúcifer que finalmente encontrava seu alvo.

Gabriel então gritou e sua dor parecia a dor de milhões de criaturas que sofriam ao mesmo tempo em uníssono. Uma poeira nefasta se ergueu fantasmagórica do chão, expandindo – se, derrubando paredes, estourando janelas de vidro e matando cada ser vivente que aparecesse em seu caminho independente da forma que possuía.

Miguel e Lúcifer se entreolharam abismados, enquanto um deles caia imediatamente ao solo, com as mãos arranhando a face como se tentasse arrancar a própria pele, experimentando do mesmo desespero e da mesma agonia.

Continuar lendo “Galamadriel Pt.18 – Vingança”

Galamadriel (Pt.17): As Armas

Por Lillithy Orleander

Paul

Lúcifer subia do Inferno com Claire e  Megara ao lado como se já houvesse ganhado a batalha e tudo já fizesse parte de seu domínio.

O cheiro de enxofre cobria cada parte do ar, enquanto do chão a névoa subia densa, com exceção dos demônios menores que agora não escolhiam mais em que corpo entrar, mostrando – se como eram e sabendo que nada nem ninguém poderia impedir sua natureza agora.os que havia tomado corpos agora chegavam de vários lugares unindo – se á comitiva e aumentando os urros e gritos.

Continuar lendo “Galamadriel (Pt.17): As Armas”