Torre de Pedra – Rainha Morta, Rainha Posta…

torre1

Por L. Orleander

Aquilo pareceu durar uma eternidade, e nem mesmo a poeira que dançava no ar parecia se mover.

– Minha senhora… – eu respirei fundo, fechando os olhos e procurando em minha mente palavras que me fizessem  fugir daquela situação.

Minha alma quedava – se em êxtase, mas minha mente me mandava fugir daquilo antes que eu fizesse algo do qual me arrependeria. Continuar lendo “Torre de Pedra – Rainha Morta, Rainha Posta…”

Galamadriel – Espelhos do Tempo

 

espelhos

Por L. Orleander

I’ll tear you down
I’ll make you bleed eternally
Can’t help myself
From hurting you when it’s hurting me
I don’t have wings
To fly with me won’t be easy
‘Cause I’m not an angel
I’m not an angel… ¹

Continuar lendo “Galamadriel – Espelhos do Tempo”

A Costa Brasile Pt. 01 – Cativo

*Inspirado no relato de Hans Staden, alemão capturado pelos Tupinambás na costa de Ubatuba

Por: Natasha Morgan
Ele estranhou a demora do escravo.

Mandara-o buscar comida fazia algumas horas, o sol ameaçava torrar seus cocurutos e nada do selvagem voltar.

Hans espiou as árvores lá fora, imaginando onde estaria o maldito idiota.

Amaldiçoou baixinho e se embrenhou na mata, atrás do escravo. Será que teria ele fugido? Pouco provável. O selvagem vinha da tribo carijó, eram amigos dos portugueses. Trocavam seus serviços por pequenos objetos ordinários que lhes despertavam o interesse.

Mas onde se metera o palerma então?

Hans praguejou novamente, chutando uma pedra que surgiu em seu caminho.

De repente ouviu gritos. Desatou a correr, seguindo o som caótico e penetrando cada vez mais fundo nas entranhas da mata.

Continuar lendo “A Costa Brasile Pt. 01 – Cativo”

O Casarão Assombrado do Votorantim

*Inspirado nas lendas da cidade de Mairiporã

Por: Natasha Morgan

Quando o som estridente do telefone na cabine ecoou pelo salão de jantar, ele soube que os oficiais estavam chegando. Em toda aquela aldeia pitoresca ele era o único que possuía aquela regalia moderna, um presente de um amigo muito influente na política. E naquele momento se amaldiçoou por ser tão privilegiado.

Seus olhos sombrios se voltaram para o fone marrom escuro e ele o apanhou, retorcendo os lábios finos a cada palavra que ouvia da outra linha.

– Senhor, aconselho-o a se apressar. A estrada velha está abarrotada de oficiais. Meia hora até chegarem à fazenda.

Continuar lendo “O Casarão Assombrado do Votorantim”