Princesa Infernal [Parte 7] – A Última Calmaria

Escrito por: A.J. Perez

lonh.jpg

Princesa Infernal – Capítulo 7: A Última Calmaria

— Bem, eu não faço ideia de como era o seu quarto no inferno, mas acho que isso vai servir. —  Ágape olhou atentamente para ela buscando mais informações da garota.

O quarto era simples. Possuía uma cama de solteiro, uma escrivaninha e um guarda roupas velho.

— Vai servir. —  Respondeu Samirah com um sorrido comedido.

Ágape se sentou na cama e a encarou. Não uma encarada de intimidação, era mais curiosidade do que qualquer outra coisa.

—  Então… você tinha um quarto no inferno? Quer dizer, você tinha uma casa ou algo assim?

—  Sim, —  respondeu a princesa pensativa —  eu tinha uma, —  ela ponderou — casa.

—  Como era?

— A maioria dos anjos caídos e seus descendentes moram em palácios ou mansões.

A jovem negra arregalou os olhos surpresa.

—  Achei que o inferno era mais… caótico, talvez… algo como cavernas.

— Temos cavernas mas só os animais vivem nelas.

—  Existem animais no inferno?

—  Sim…

Mirah se sentou na cama a uma certa distancia da garota, ela parecia bem mais receptiva que o velho “Dante”.

— Desculpa estar te enchendo de perguntas, mas não é todos dia que se pode conversar com alguém que, bem… sabe como o inferno é.

—  Não precisa se desculpar, eu entendo, o inferno deve ser tão intrigante e bizarro pra você quanto o mundo mortal é pra mim.

— Que tal uma troca?

—  Como assim?

—  Bem, eu devia uma pra morte, então ela me pediu pra vir aqui pra casa daquele ranzinza, e a minha divida vai ser paga te ensinando sobre o mundo mortal e fazendo você se adaptar a terra. Já que vou te ensinar isso, bem…

—  Quer saber sobre o inferno. Tudo bem, eu falo pra você, vai ser bom ter com quem conversar, mas você vai estranhar meu mundo.

— E talvez você o meu…

—  Com certeza.

Ambas deram sorrisos sinceros antes que Samirah a indagasse.

— Qual o nome dele?

—  Do velho rabugento?

—  Isso. —  Ela riu

— Não faço ideia, a morte não me disse, e nem ele. Então pra mim ele é só um velho rabugento.

— Achei que se conheciam.

— Conheci ele há uns 3 meses, quando Morte me mandou pra cá.

—  Meses?

—  Ah, a cada 30 ou 31 dias temos um mês.

— No inferno Chamamos de Ciclos da Fornalha.

— Interessante… mas vamos voltar um pouco. Você tinha falado de animais do inferno.

— Sim, temos os Kahabuk, são grandes e musculosos usamos para guardar locais e itens preciosos. Quando alguém está sendo caçado pelas hostes infernais mandamos eles farejarem e perseguirem o individuo.

— É uma especie de Cão então.

— Sim, já alvo alguns suplicantes chamarem eles de “cães do inferno”.

— Eles são tipo assim? —  disse a jovem ao mostrando inúmeras fotos de cães no Google pra ela.

— Não… na verdade, esse aqui lembra um pouco. — disse Mirah apontando para um  rottweiler —  mas imagine ele com 3 vezes esse tamanho, presas enormes saindo da boca, olhos flamejantes, espinhos negros enormes nas costas e uma couraça negra.

Os olhos de Ágape estavam arregalados.

— Mas eles são bons animais de estimação quando você os alimenta.

— E eles comem o que?

Mirah ponderou se deveria responder.

— Bem… suplicantes.

— Ah, nossa… e eles morrem?

— Os suplicantes? Não…

A moça olhou pro chão pensativa.

— Olha, o inferno é um lugar brutal, cruel, mas nós não somos maus, pelo menos não todos, as pessoas que vão pra o abismo, elas estão lá por que eram pessoas ruins. Elas estão lá pra serem punidas. E é a função dos habitantes do abismo fazer com que a justiça seja feita lá.

— Justiça?

— Meu pai sempre falava que as pessoas, os mortais não nos compreendiam, nossa função é e sempre foi punir os maus, o inferno é uma prisão para os mortais e nosso dever  manter essa prisão funcionando.

— Entendi. Que outros animais vocês tem?

— Harguris, São grandes e peludos, eles tem asas membranosas enormes e sua saliva é corrosiva. Os Slavekath São grandes e vermelhos e não possuem olhos, possuem um corpo grande e molenga, eles cavam fundo na terra, e saem de dentro do chão pra abocanhar as presas, caçam apenas pela vibração do solo. Os Bugnari usamos de montarias. Eles trem múltiplos chifres e um corpo musculoso e blindado. Eu pessoalmente prefiro ir voam aos locais, mas alguns gostam de andar neles.

— Voando… —  Ágape mordeu o lábio involuntariamente como sempre fazia quando ficava instigada em saber mais de algo até que tomou coragem para perguntar.

— Você é um anjo caído?

— Não, eu sou uma Celeste. Anjos Caídos são os que desobedeceram ou desertaram, eu nasci no inferno, então sou uma celeste, meu pai era é anjo caído.

— E sua mãe?

— Eu… não conheci ela, meu pai nunca falou dela na verdade, ela pode ser qualquer coisa… prefiro não falar disso se não se importar.

— Ah, claro. Desculpe.

— Tudo bem…

— Então Mirah, você deve estar cansada, tem algumas roupas na gaveta espero que algo sirva em você. Essa sua meia-armadura é bem da hora, mas ninguém mais usa armaduras hoje em dia. Então pode deixar ela guardada.

— Está certo… ela começou a desafivelar a armadura sem presa.

— Vocês tem banhos no inferno?

— Sim —  ela riu —  nós temos, mas a água deve ser bem mais quente que a vocês usam…

— Posso imaginar… tem uma banheira aqui do lado pra você poder tomar banho, você sabe como usar?

— Eu sei, comprei uma no mercado negro, meu pai quase me matou, ele odiava quando eu pegava coisas feitas por mortais.

— Certo… e uma ultima coisa o seu cabelo…

— O que tem ele?

— Ele arrasta no chão. ninguém usa cabelo assim, você deveria fazer uma trança nele, ou alguma outra coisa do gênero, acho que você não vai querer cortar.

— Não vou cortar ele. O que é essa tal trança?

— Faço em seu cabelo amanhã de manhã, okay?

— Certo… — respondeu Samirah, instantes antes da janela do quarto dela explodir em chamas e um diabo ardente a atacar com um machado flamejante a amaldiçoando enquanto as tabuas fumegantes cruzavam o ar como estacas mortais na direção de Ágape.

— Vai morrer vadia Celeste!


 

Continua

 

 

 

 

 

Gostou? Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s