Coração Cintilante – O Mundo dos Sonhos

 

corac%cc%a7a%cc%83o

Por A. Silan

Olha só, quem está falando, o pequeno urso guerreiro de Artur, assustou a todos, até a mim hahahahahaha, o que foi? Não posso ficar impressionado com uma coisa dessas? Henry está vivo e falante, devemos aceitar que isto é um fato no mínimo, impressionante.

— Henry, você fala? — perguntou Artur, assustado e feliz por ouvir a voz doce e aveludada, hahahahahaha, de Henry. — Você fala! Olha mãe, ele fala!

— É claro que eu falo, aqui, no mundo dos sonhos eu falo, e também posso e irei te proteger, como um guerreiro que sou.

Ainda estupefato, que palavra engraçada, hahahahahaha, pelo menos eu acho,  pela recente e incrível descoberta, Artur começa a rir.

Após algumas perguntas, que todos, acredito, fariam para seus amados amigos de pelúcia, Henry diz saber onde ir para encontrar os dois que a outra Erica comentou. De acordo com o fofo guerreiro, ele nasceu dos sonhos de Artur, e por conta disto, conhecia boa parte deste mundo, conveniente não acham?

Henry, agora anda na frente de Artur, como um guia, e a outra Erica, calada, fraca, linda, cansada, confiante, admirável, perfe…. Ops, deixe-me voltar, deixe-me concentrar-me novamente… Pronto, a outra Erica, observava e ouvia de dentro do espelho, que agora estava nas mãos de Artur, onde Henry estava a pouco tempo atrás.

— Você via e ouvia tudo, quando não se mexia, ou falava?

— Sim, eu estava lá, só não tinha magia suficiente para eu andar meu querido Amigão.

— Desculpa por…

— Não precisa se desculpar, sei que não foi culpa sua, e você já se desculpou antes, a sua mãe até me costurou depois lembra?

— Doeu?

— Não, eu não senti nada, lá, eu não sinto muita coisa, posso ver e ouvir, mas sentir, é muito difícil.

— Que bom…

Enquanto andavam e conversavam, Artur percebeu que aquela floresta estava, viva, muito viva, as flores cantavam, as árvores brilhavam, as borboletas dançavam, tudo se mexia, tudo era, como o próprio nome do lugar falava, era um sonho.

Após uma longa caminhada, nesse lindo, gente é serio, um lindo mundo, eles chegaram em uma montanha, que parecia ser feita de chocolate, a cor era de chocolate, mas não era chocolate, Artur descobriu, mais tarde, caindo de boca no chão hahahahahaha.

— Aqui eles vivem, na montanha dos desejos. — disse Henry.

— Então é aqui que eles conseguem os materiais para fazer suas coisas então?  — Perguntou a outra Erica, agora um pouco mais forte, mas ainda incapaz de sair do espelho.

— Sim, e aqui, não existe material mais perfeito para eles que o desejo puro, mas, são poucos os que conseguem molda-los, e esses dois, apesar de atrapalhados, são incríveis em fazer isso. — Explicou Henry, como podemos ver, esse ursinho e bem inteligente.

— Atrapalhados? — Pergunta Artur.

— Sim, você irá perceber meu Amigão.

Como se tivessem sido conjurados, ou sei lá, Poporum e Paparani caem em frente ao grupo, uma queda engraçada, Poporum de cara é a Paparani de bunda no chão, hahahahahaha, só de lembrar eu começo a rir, hahahahahaha, deixe um minuto, hahahahahahahha…. Ufa, hehe, pronto, estou melhor.

— Aiai, isso doeu, e a culpa é sua, sua idiota. — disse Poporum, sentando no chão e esfregando a testa.

— A culpa é sua, idiota. — disse Paparani, parecendo repetir o que o irmão disse, enquanto esfregava a bunda.

Nisso, Poporum, se levanta e começa a falar que a culpa é da irmã aos gritos, com a testa vermelha e um dedo apontado para a cara da irmã. Parecendo um espelho, Paparani faz o mesmo, que só não durou mais tempo porque Artur começa a rir dos dois, os dois pequenos, menores que Artur, olham para Artur, Henry e para o espelho, se olham e começam a correr em círculos parecendo desesperados, e batem o corpo um no outro, hahahahahaha, esses dois, são muito idiotas, deve ser por isso que vivem isolados dos outros, hahahahahaha.

Artur rindo, soluçando de rir, chorando de rir, anda até eles, e oferece a mão para ajuda-los a levantar. E, foi por conta disso que os dois viram que Artur não era uma ameaça para os desejos, e enfim se acalmaram. Mas logo depois, os dois gritam com um susto de ouvir um espelho falar, e Artur volta a rir.

Após se acalmarem e verem que a outra Erica, que estava dentro do espelho, e reconhecer que foram eles que fizeram o espelho, idiotas, não lembravam da própria criação, eles se acalmam novamente.

— Acabaram com o show?  — Pergunta Henry.

— Não teve show nenhum. — Poporum responde com cara fechada.

— É, show nenhum. — Fala Paparani, imitando a expressão do irmão.

— Faça-me o favor de parar, vocês três. — A outra Erica diz através do espelho, assustando os dois idiotas. — Viemos….

— FANTASMA, ESTAMOS SENDO ASSOMBRADOS…

— Não sou um fantasma, seus idiotas, sou um reflexo. — Falou a outra Erica, projetando-se, elegantemente, linda, de uma maneira que nunca tinha visto antes. Nossa, acho que me apaixonei por ela. — Precisamos conversar com vocês, e quando pararem com seus chiliques, espero que possam nos ouvir.

Olha, não estou nem um pouco a fim de descrever toda a cena, deles cochichando, trocando olhares, concordando e levando-os para dentro da caverna na montanha,  Artur caindo e comendo terra dos sonhos outra crise de gritos e showzinho histérico com trocas de xingamento dos dois paspalhos, depois que a Linda e Reluzente outra Erica, conta os detalhes do porque estão lá, não, eu me nego de contar os detalhes. Acho até que contei demais hahahahahaha, eu e minha incapacidade de resumir as coisas, mas até que me sai muito bem, não é verdade?

Logo depois dos dois se acalmarem, e Artur quase se mijar de rir, os dois finalmente decidem ajudar, falam algo como, o garotinho tem um sonho puro, ou foi, desejo brilhante. Bem não importa, eu acho, então, depois disso, pegam as ferramentas e começam a trabalhar, como nosso pequeno grandioso guerreiro de pelúcia disse, eles são, artesãos, e sua matéria prima e chamado de desejo puro. O Desejo puro é um material interessante, possui várias formas, peso, propriedades. Ele é algo realmente difícil e complexo de entender, pois é formado de desejo, dã, não, o nome é desejo puro e ele é formado de terra, mas, não é como se fosse tão óbvio, esses desejos não tem  dono, origem, cor, eles apenas são um aglomerado de vários fortes desejos parecidos, criados de cada sonhador, dentro de seus corações inocentes, por isso são chamados de desejos puros, são tão simples que nem se parecem desejos, um exemplo, hum, vamos ver, um desejo seria, “quero ser rico” um desejo puro seria apenas “felicidade”, um desejo seria, “como eu gostaria de que a linda e maravilhosa Erica se apaixonasse por mim”, o puro seria, “amar”. Eles são como sentimentos, mas na realidade são a origem de cada desejo, é lindo, brilhante, apaixonante.

Bom como disse, eles pegaram suas ferramentas e começaram a trabalhar, e fizeram apenas uma coisa para Artur, fizeram um botom, broche, seja lá como chamam isto, eu conto histórias, não coloco nome nas coisas. Ele parecia de vidro, e tinha o formato de um coração, tão delicado e tão bonito, que parecia ser ao invés, todo preenchido, parecia ser só uma finíssima camada de vidro em forma do dito cujo, botom, broche, que seja….

— Se vocês vão para a terras longas, o garotinho precisa disso. — disse Poporum, e sua irmã idiota, repete a fala dele com adição de alguns e’s. Ficou algo próximo a.

— E, se querem ir para as terras longas, é, ele vai precisar disso.

— Mas o que é isso? — Artur, com toda curiosidade infantil, que deixa qualquer pai ou mãe com vontade de arrancar os cabelos pergunta, olhando admirado para a coisa que vocês podem chamar do jeito que quiser.

— Isso garotinho é o desejo de amor, um amor puro, ele pode e deve te aquecer como o abraço da mamãe.

— É, como o abraço da mamãe.

O idiota Poporum, pega a mão da magnânima outra Erica, e a puxa, deixando o Artur e o Henry com a paspalha da Paparani. Artur prende o pingente, botom, broche, sei lá, cada vez mais eu penso num nome diferente hahahaha. Então, a paspalha diz algo que eu também fiquei impressionado, ela não tinha o irmão idiota por perto, então falou por ela mesma.

— O garoto, esse objeto, só funciona se você acreditar que funciona, ele é poderoso, então cuidado. Ah, também tem tudo, tudo aqui só existe porque as pessoas sonham, então, cuidado ao sonhar aqui, bons sonhos como o urso irão te ajudar, mas, mal sonhos irão te machucar.

— Eu não vou deixar nada acontecer com Artur, mas, obrigado por nos avisar.

— Não tô só alertando, porque vocês querem ir atrás das sombras, ou algo do tipo, estou alertando porque o meu irmão, chamou a mulher fantasma para avisar que nos também vamos, ele deve ter visto algo muito bonito no seu coração. Eu falo, eu consigo ver algo muito bonito no seu sorriso, mas só meu irmão sabe ver o coração das pessoas.

O idiota volta junto a magnífica outra Erica com uma cara fechada, e automaticamente a irmã fecha a cara igual, e Artur que estava sério e pensativo começa a rir dos dois.

— Tudo certo, nós dois vamos com vocês, mas com uma condição, vocês terão que nos ajudar a encontrar uma fada, aquela feiosa da Lila, ela conhece as terras longas, e ela talvez, só talvez, queira ajudar a gente.  — Poporum olha nos olhos da irmã, e neste momento ela fica pálida.

Em resumo, tudo muito bonito, brilhante e aconchegante. O grupo com os dois abobalhados, viajam, para como os dois falaram, a terra das feiosas, e isso é cômico, porque os dois são mais feios que bebês comendo limão, olha, isso é bem eles, imaginem dois bebês, musculosos, com cara de que comeu limão, com grossas sobrancelhas e sujos de fuligem e terra, pois é, isso são eles hahahaha.

Após chegar na “terra das Feiosas”, Artur quase perdeu o ar, pois o lugar era lindo, as fadas, pequenas como mariposas, ou borboletas, voavam graciosamente, riam, cantarolavam e brincavam com os fofos animais do lugar.

— Porque Feiosas?  — pergunta a exuberante outra Erica, nossa, eu realmente estou dividindo pelo amor entre as duas Ericas, mas a verdadeira Erica é bem mais linda.

— Porque são feias, não está vendo?

— É, não está vendo?

— Feios são vocês, e o que vocês fazem aqui, enfeiando este lugar lindo, seus dois filhotes de troll? — disse uma linda fadinha cor de anis purpurado.

— Lila feiosa, estamos atrás da Lila feiosa

— É, a Lila feiosa.

— Feiosos são vocês dois e o que querem de mim?

— Nos queremos ajuda para chegar nas terras longas. — Disse Henry sem rodeios, imaginei agora o urso de pelúcia em cima de um touro de brinquedo, em meio a um rodeio hahahahahahhaha.

Neste momento, o lugar escureceu, não de verdade, sabe quando tudo fica escuro, ou apenas aparece ter ficado escuro? Pois é, isso que aconteceu, os dois paspalhos, olharam de cara feia para o Henry, e balançaram a cabeça de forma negativa fazendo o famoso tsc, tsc, tsc, tsc, tsc.

— O Ursinho, esse lugar é mal visto aqui, se não sabe como agir aqui, melhor ficar calado.

— E, ficar calado.

— Desculpe. — Falou Henry envergonhado. Achei ate ter visto uma cor avermelhada de baixo dos olhos de plástico.

— Mas o que ele falou era verdade, a mamãe do garotinho foi levada pelas sombras, e eu tenho quase certeza de que ele pode salva-la, mas precisamos de um guia. E sabemos que você, sua feiosa, desobedeceu algumas regras e foi pra lá.

— Vocês não tem prova, e eu não vou ajudá-los….

— Por favor, senhorita fada, por favor!! — Artur falou com um olhar tão incrivelmente choroso, que até eu fiquei com dó dele.

— Hum.. EEHHRR… TÁ BOM, TÁ BOM, SÓ PARE DE ME OLHAR DESTA FORMA. Disse Lila e magicamente o lugar parece voltar a cor e vida anterior, enquanto todos se afastam do lugar, com Lila emburrada voando a frente.

VOU RESUMIR DE NOVO HAHAHAHA, acho que esta virando habito, um habito muito ruim. Mas É melhor que falar detalhes inúteis e cansativos de falar e ouvir. Depois que explicaram tudo para Lila, ela chorou, riu, teve as mais diversas reações. Após isto, a pequena fada Lila, explicou algumas coisas, mas vou deixa-la contar.

— As terras longas, são perigosas Arturzinho, lá que normalmente os sonhos ruins e monstros se escondem, por isso aqui na terra das fadas nos não falamos de lá, aqui reina a alegria e a diversão, mas lá, a historia é outra, dizem que lá era um lugar lindo e puro, mas as sombras conseguiram corromper o lugar, eu posso leva-lo ate lá, só tem um pequenininho problema. — falou com aquela voz, calma, fina, mas bela, parecia um riso de um bebe, chega a me acalmar ate, a voz das fadas.

— Qual?

— Lá é muito escuro, e nem a luz das fadas ilumina o lugar, apenas uma coisa consegue fazer uma luzinha que brilha lá.

— E o que seria sua feiosa? — Poporum, perguntou com total raiva na voz, ele não gosta de fadas, deve ser porque ele sabe que é feio e isso o incomoda, parecendo um gravador com e’s, a sua abobalhada de irmã pergunta também. As vezes eu fico pensando, a Paparani faz isso para esconder que e menos abobalhada que o irmão, vocês irão ver o porque, se eu não esquecer de contar, as vezes eu esqueço muita coisa hahahaha, acho que e a idade.

— Uma pérola criada no mar do sonho, entregue de bom grado pela moça que mora lá. E ela não gosta de dar essas pérolas para ninguém. — A Lila ficou com uma carinha triste, mas mesmo assim dava vontade de apertar, gente sério, toda fada você fica com vontade de apertar, independente da cara que elas façam.

— E onde ela fica? — Artur perguntou encantado e curioso, com aquele brilho no olhar, que como falei antes, só a família dele consegue fazer.

— Longe e perto daqui, se vocês me seguirem posso leva-los rapidinho. hihihi.

Bem, eu posso contar todas as peripécias que a Lila fez no caminho, mas, vou explicar uma coisa sobre as fadas, elas existem por conta da felicidade, alegria e acima de tudo, brincadeiras, então, seus poderes só funcionam quando você se diverte, ri com elas, ri delas, bem acho que vocês entenderam. FADAS SÃO BRINCALHONAS E CHEIAS DE GRAÇA…

E olha, eu podia contar tantas outras coisas, mas falar sobre o mundo dos sonhos esta ficando cansativo pra mim, eu quero contar a ação, a quase morte do Artur, TUDO QUE TEM DE INTERESSANTE, falar a jornada já esta me cansando. Então pensem assim, sobre o mundo dos sonhos, toda vez que você dorme, você vai pra lá, e lá  justamente o que você imagina, vive, sonha, e sempre bom, feliz e lindo, então ja contei tudo para vocês, ou quase tudo, o que falta contar é, que todos os seres mágicos, contadas em historias, vivem lá, então você pode encontrar qualquer um desses seres lá, e a “moça do mar” é uma sereia, que, se encantou com Artur, porque ele é nosso herói, hahahaha, mentira, porque as sereias, sentem a bondade vinda de vocês, se vocês são bons, elas serão boas com vocês, se vocês forem ruins, elas serão verdadeiros monstros.

Depois de conseguir o que queriam conseguir, uma pérola para cada um, seguiram, andaram, pularam e ate mesmo caíram, ate chegar na terra dos pesadelos, nas terras longas.

Bem, eu sei, vocês querem saber o que aconteceu lá, mas, tive uma ideia, uma ideia que vocês irão gostar. EU NÃO VOU CONTAR ESSA HISTORIA!

O que? Vocês querem saber o que aconteceu? Calma, como eu disse, eu tive uma ideia, eu não vou contar essa historia, porque ela ainda não aconteceu, quem vai contar essa historia, é ela mesma, e vocês, iguais a mim, irão descobrir o que aconteceu aos poucos. E só para deixar claro, o Artur quase morreu aqui, como eu sei disso? Ora, eu sou um narrador, mas sou algo mais, e vocês irão descobrir, ah, eu sei que irão!

 

CONTINUA…

 

Gostou? Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s