Tons de Vermelho – Pt. 5

 

faixa

Por Mille Meiffield

 

Senti minha respiração fraca. Minha cabeça girava e um forte cheiro de solvente estava no ar. Minha testa doía onde Alex havia batido. Eu estava sem meu celular. Queria ligar para Hayden. Queria dizer que o amava e que lutaria por ele. Um pano preto cobria todo o meu rosto, o que estava dificultando cada vez mais a entrada de oxigênio.

Escutei vozes, mas não dava para saber de onde vinham. Será que Hayden já havia dado pela minha falta?

HAYDEN

 

– Collins! – chamei. – Pode vir até minha sala por favor?

Entrei e em seguida Collins apareceu. Fiz sinal para que ele sentasse.

– Collins, o Tenente Ward acabou de ligar me contando que Alex …. foi solto. Peça que Miller ligue para a Addams, e mande Doughert solicitar uma patrulha para a casa dela imediatamente.

– Sim senhor. – ele se levantou e se virou para sair da sala.

– Me avise se Miller conseguir entrar em contato com a Addams.

– Pode deixar. – ele saiu e me deixou sozinho.

Eu já estava angustiado. Chloe se atrasaria hoje mas não tanto tempo. E porque Ward não me avisou antes que aquele maldito do ex-namorado dela havia sido solto?

Dei um forte soco na mesa. Se ele a machucasse teria que se ver com toda a equipe da inteligência. Uma batida na porta chamou minha atenção.

– Sargento Wrigth. – Chamou Miller. – Chloe não atende ao telefone e a patrulha disse que o apartamento dela está destruído.

Fiquei paralisado. Ele a havia sequestrado. Chloe estava em perigo.

– Miller, quero que traga Collins e Doughert aqui agora, mande Lewis rastrear o telefone da Addams e diga a Hill e Allen para se prepararem por que vamos sair em exatos quinze minutos.

Miller saiu sem falar mais nada, em segundos, Collins e Doughert apareceram.

– Sargento, recebemos uma mensagem de vídeo do telefone da Addams. – disse Doughert. – Lewis rastreou a chamada e localizamos o celular da Chloe em um prédio abandonado na esquina da Rodovia Fulton com a Avenida Sackett . A equipe já está se preparando para fazermos uma emboscada.

– Chamei o grupamento tático para dar apoio. – disse Collins. – Chegarão ao local em dez minutos.

– Excelente pessoal. – eu disse. – Vamos a detetive Addams está contando com a gente.

Saímos da delegacia em três carros com armas e munições próprias de guerra. Se Chloe estava com Alex, com certeza alguns traficantes da região também estariam lá.

Poderia haver alguma baixa essa noite. Mas eu me certificaria de que essa baixa não fosse Chloe, mesmo que essa baixa precisasse ser eu.

 

CHLOE

 

Eu não fazia ideia de quantas horas haviam se passado. Meu estomago estava roncando de fome. Meus lábios ressecados de sede. Meus pulsos doíam muito por causa das cordas apertadas que os prendiam. Minhas pernas dormentes formigavam exigindo que eu me mexesse.

Ouvi passos vindos em minha direção e o capuz foi tirado do meu rosto. Ele estava bem ali. Com sua pele pálida. Seu cabelo comprido, desgrenhado pelo vento. Seus olhos negros, com olheiras profundas. Parecia que há dias não dormia. Eu o encarei e ele me encarou de volta. Em seu olhar não havia emoção.

– Oi minha linda Chloe. – ele me beijou. Cerrei meus lábios com força. Não queria sentir o gosto da boca dele. – Minha princesa rebelde.

– O que você quer comigo Alex? – gritei.

– Acho que você ainda não entendeu Chloe. – sua risada sarcástica me irritava. – Você sempre foi minha Chloe, e eu vim buscar você. E agora, infelizmente vou precisar cobrar de você tudo o que me fez.

– Eu não fiz nada. – gritei. – Me solta!

– Só vou soltar você quando estivermos em Destin.

– Florida? – indaguei indignada. – Eu jamais iria para lá, muito menos com você.

– Claro que vai meu amor. – Alex tentou me beijar novamente e eu cuspi na cara dele. Ele me deu um tapa no rosto. Foi tão forte que cortei meu lábio inferior com o dente. – Nunca mais faça isso. – disse puxando com força meus cabelos para que eu o olhasse nos olhos.

Tudo o que estava acontecendo me fazia lembrar Hayden. De como foi confortável estar nos seus braços desde a primeira vez. Do carinho com que ele me tratava mesmo quando eu era grossa com ele. Do beijo doce de seus lábios de manhã cedo. Eu queria Hayden, Precisava dele.

-Deve estar pensando que aquele “sargentinho” de merda que te come quando quer vai vir te resgatar. – disse Alex com ódio na voz. – Ele já deve ter percebido que você não vale a pena.

– Eu não preciso esperar para que Hayden venha me buscar. – disse com convicção. – Minha equipe, meus amigos. Eles jamais me deixariam aqui. Há essa hora já estão me procurando

– Pode estar certa Chloe querida, mas eles não a encontrarão aqui. Em alguns minutos nosso transporte vai chegar e vamos para a nossa nova vida.

– Prefiro morrer a ir com você. – eu estava ficando apavorada. Não deixei transparecer isso, mas meu peito doía de tanto que eu forçava a respiração para me acalmar. – Doughert e Hill não vão parar de me procurar nunca e Miller sempre foi insistente.

– Ah minha querida, acha realmente que é tão importante assim?

– Tenho certeza disso.

Alex me deu dois tapas no rosto. Um filete de sangue escorreu pelo canto da minha boca. Ele cobriu meus olhos com uma venda e em seguida apertou com força os cantos da minha boca para despejar um liquido gelado e com gosto azedo por minha garganta. Engasguei e tossi ate sentir minha garganta arranhando. Mesmo sem conseguir ver nada, senti o ambiente rodando e tudo virou apenas um borrão.

 

HAYDEN

 

– Doughert quero você e Lewis pelo lado direito. Hill e Miller vocês vão pela esquerda. Vocês me sigam. – disse para Collins e Allen.

Era um edifício em fase de acabamento, mas parecia abandonado. A frente estava lacrada e não parecia ser usada há muito tempo, então deixei a detetive Lewis de vigia e fui com Collins para os fundos encontrar os outros.

Hill e Doughert estavam investigando todo o térreo enquanto Miller e Lewis foram para o primeiro andar. Subi com Collins e antes de chegar ao segundo andar os encontramos descendo as escadas.

– Tudo limpo Sargento. – disse Lewis.

– Nenhum sinal da Addams ou de qualquer outra pessoa aqui. – Miller parecia angustiada.

– Vamos voltar para a central. -falei. – Doughert pode encontrar uma outra pista.

Retornando ao primeiro andar vi Hill e Doughert analisando um objeto lúgubre. Me aproximei deles e vi Doughert estudando minuciosamente o aparelho.

– O que e isso Doughert? – indaguei.

– Parece um transmissor de sinal. Hill encontrou dentro de um buraco na parede. Se ele não tivesse prestado atenção passaria despercebido porque só uma pequena ponta do fio estava à mostra.

– Isso foi colocado aqui para nos confundir. – falei. – Vamos para a central, Addams nunca esteve aqui.

 

CHLOE

 

– Acorda vadia! – gritou Alex desferindo um tapa contra meu rosto. – Vamos, temos que ir. Aquele” sargentinho” imbecil está chegando perto demais.

– Eu disse que eles não iriam desistir de mim. Se quiser sair dessa vivo Alex, sugiro que me deixe em paz.

– Acha mesmo que vale tanto assim?- indagou segurando com força meu rosto entre as mãos. – Você não passa de uma vagabunda, ou já esqueceu o que fazia quando estava desesperada por mais uma picada de heroína?

– Você me viciou naquilo, fez de mim um fantoche seu, mas hoje eu não sou mais aquela garota medrosa, não tenho medo de você Alex.

– Pois deveria. – Ele enfiou um saco plástico na minha cabeça e o amarrou. – E agora? Está com medo? – eu estava quase desmaiando por falta de oxigênio. – Não vou matá-la Chloe, preciso de você bem viva. Você vai faturar toda a grana que eu preciso. – Ele tirou o saco plástico da minha cabeça. Tossi com força me engasgando entre saliva e ar.

– Eu jamais me submeteria à você de novo. – cuspi na cara dele. – Seu porco imundo.

Alex puxou meu cabelo para trás com força, fazendo eu me esforçar para baixar a cabeça o máximo possível. Com um puxão forte rasgou a frente da minha blusa e apalpou meu seio esquerdo.

– Em pouco tempo você vai voltar a ser minha vadiazinha.

– Só sobre o meu cadáver. – gritei. Ele enfiou um pedaço de pano na minha boca e olhando dentro de meus olhos desferiu em meu rosto um tapa tão forte que abriu um corte na maçã do rosto, meu nariz começou a sangrar.

– Vou preparar o carro. – ele estava gostando de me agredir. Quando estávamos juntos, essa era a única coisa que o acalmava. Me deixar semi – morta.

 

HAYDEN

 

Eu sabia que Chloe não estava muito longe. Ainda não. Lembro de ela ter comentado que foi aqui que ela conheceu o cretino do seu ex-namorado. Eles deveriam estar em algum prédio abandonado.

– Sargento. – chamou Hill. – Eu vacilei com a Chloe uma vez e por isso ela quase morreu, não vou vacilar de novo. Pedi que Allen e Lewis ajudassem Doughert em uma investigação. Temos um bom palpite que Chloe está na rua Elmhurst em uma casa abandonada. A casa pertencia a uma das amantes de Alex Gringer até ela morrer por overdose de heroína ano passado.

– Ele vai tentar viciar Chloe em heroína de novo.

– Chloe é forte sargento. – disse Miller entrando na sala. – Ela já sobreviveu ao inferno. Vim avisar que todos estão prontos para irmos, só faltam vocês.

– Miller, Hill, sei que são os melhores amigos da Addams. – eu estava ansioso, precisava encontrar Chloe e deixa-la em segurança – Fiquem encarregados de trazê-la de volta em segurança. Vocês estarão juntos hoje.

– Sargento! – chamou Lewis apressada. – Temos o relato de uma invasão no prédio 235 da Elmhurst. Allen encontrou uma chamada para a emergência relatando o fato.

– Vamos, está na hora. – eu ia trazer minha Chloe de volta.

Fomos para nossos carros à paisana e seguimos para o leste até Eastlake onde ficava a rua Elmhurst. Paramos o carro na entrada do prédio e trocamos as habituais pistolas por armas mais pesadas.

 

CHLOE

 

Alex subiu as escadas esbaforido. Veio até mim e desamarrou meus pés sem falar nada. Ele me jogou no chão e me segurou pelos cabelos para que eu ficasse ajoelhada.

– O que você está fazendo. – indaguei com a voz fraca.

– Aquele seu namoradinho maldito e seus amiguinhos estão aqui. – disse Alex com raiva. – Se eles acham que vão tirar você de mim, estão muito enganados.

– Você só vai sair daqui morto seu cretino. – gritei. Ele pegou o cano da pistola que estava na sua mão e bateu forte contra a minha cabeça, me deixando zonza.

– Solta a arma Alex. – ralhou Hayden.

– Eu só estava esperando você chegar aqui para ver o fim da sua namoradinha.

Alex puxou o gatilho e apontou a arma para minha cabeça. E disparou. Senti o sangue escorrer quente pelo meu rosto e tudo escureceu.

CONTINUA…

3 comentários em “Tons de Vermelho – Pt. 5

Gostou? Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s