O Tarot (Pt.3)

Escrito por: Zuleika Juliene

O Tarot 1

Sâmela suspirou profundamente, sabia que o amigo tinha razão, mas não podia dar-lhe razão naquele momento, pois caso o fizesse só estaria alimentando ainda mais sua revolta, então decidiu mudar de assunto.

  – Deixa eu mudar de assunto, quero te fazer uma pergunta.

  – Pode fazer – Raul falou olhando para o rosto de Sâmela que estava com um ar divertido.

  – Ontem quando estávamos jogando tranca, por que me deixou ganhar? Você ganha quase sempre, você é o melhor que conheço com o baralho!

  – Se eu ganhasse quase sempre por que você jogaria comigo?

  – Primeiro porque para mim é um desafio tentar estratégias para te vencer…

  – Roubando…

 – Para Raul! E segundo porque te admiro muito jogando, parece que conhece as cartas mais que qualquer um.

 – Já estava com isso na cabeça, Sâmela, será que é isso? Será que meu avô Miguel era um jogador compulsivo e perdeu tudo que tinha…

 – Claro que não Raul, se fosse assim seus avós não teriam baralho em casa e você jamais poderia chegar perto de um!

 – É verdade.

 – Mas sabe Raul, estou tendo uma idéia, porém quero amadurecê-la primeiro, te falo segunda – feira na escola.

  Raul não se importava em esperar, sabia que quando Sâmela colocava a cabeça para funcionar saiam apenas idéias brilhantes nada menos e fosse como fosse também sabia que nunca, mas nunca mesmo ela conseguiria esperar tanto tempo para falar.

 – Eu espero o tempo que for, mas agora vamos pegar algo para comer que já estou sentindo minha barriga roncar.

 Sâmela logo tratou de fazer piadinhas para quebrar o gelo entre neto e avô, pois se tinha uma coisa em que ela era mestre era em quebrar gelo.

 Lancharam conversando trivialidades e resolveram voltar para casa, pois naqueles dias a chuva começava sempre após o almoço.

 Chegaram a casa já cobertos por alguns respingos do temporal que estava vindo; correram para dentro da casa para não se molharem mais e assim que Pedro colocou o pé na porta Ana soube o que havia ocorrido, mas disfarçou dizendo que havia comprado sorvete de creme, o favorito de Raul e Sâmela. O anúncio fez com que eles corressem para a cozinha dando uma brecha para Pedro fazer um sinal de “depois” para a mulher.

 Na cozinha, Sâmela comia o sorvete sugando a colher invertida junto provocando o olhar de Raul.

 Raul olhava para ela desejando que sua boca fosse aquela colher, mas nada dizia, tinha medo de afastar ela de perto dele para sempre, pois não sabia distinguir se aquilo era brincadeira ou insinuação, Sâmela sempre teve um jeito espontâneo e divertido que não raramente o confundia. Teve a impressão que ela olhava para seus lábios, mas como ficou sem graça não pode ter certeza, pois desviou o olhar.

 O clima foi interrompido pelo toque do celular de Sâmela, era uma mensagem, ela passou o olho na tela e disse:

 – Meu irmão pedindo para eu te perguntar se você quer ir jogar futebol com o pessoal amanhã no campinho.

 – Acho melhor eu ir, espairecer um pouco.

 Ela balançou a cabeça em sinal de concordância.

 – Vá! Será bom para você.

 -Você vai me assistir jogar? – Raul perguntou de maneira irresistível.

– Pedindo desse jeitinho acho que não tem como eu negar.

 Sâmela levantou se despedindo de Raul com uma piscadinha de olho que só dava quando estava chateada.

 – Samy…

 Ela virou para trás franzindo o cenho.

 – Nossa, você nunca me chamou assim!

 – Desculpa…

 – Eu gostei.

 – Você está bem?

 Ela olhou profundamente os olhos de Raul e tentou esboçar um sorriso que não tinha a mínima vontade de sair.

Continua

2 comentários em “O Tarot (Pt.3)

Gostou? Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s