Paixão Obscura (Pt. 8) – O Despertar

Paixão Obscura

Capítulo 8 – O Despertar

Escrito por: Saul GuTerres e Morgana Owl.

Quando Alícia chegou em casa ela não aguentou, correu para seu quarto e chorou como uma criança. Ela havia conseguido ser forte diante de Wilton, mas ao se ver sozinha, deixou que toda aquela mágoa fosse embora de seu coração, dando espaço somente para a raiva e o ódio. E era isso que Eillen desejava desde o princípio. Após aparecer para ela horas atrás ela já estava com tudo pronto para que Alícia iniciasse o ritual e então começou a sussurrar pensamentos para Alícia.

– Venha minha querida…deixa que eu te ajudo a se vingar de todos eles!

– Eu preciso de você….

-Vamos até o porão, pegue o livro, vamos nos vingar com magia…eu posso te ensinar.

Alícia capitou aquelas mensagens e logo lembrou do porão, ela sabia que àquela mulher estava perto, pois sentia sua energia, e sentiu-se segura para fazer o ritual. Preparou-se com um banho de ervas e perfumes, pegou alguns materiais e foi para o porão. Andou em volta até achar o livro de que precisava. Estava olhando na prateleira ao lado quando um vento forte entrou pela janela e derrubou uma cortina que escondia uma prateleira escondida. Ela se aproximou e movida por uma força pegou o livro que ela sabia que um dia fora de sua mãe e que ela fora proibida de usá-lo. Era o livro “Paixão Obscura”. Abriu, leu e começou a estudar rapidamente os materiais necessários.

-Não se preocupe com isso… sussurrava Eileen em seu ouvido. Eu serei sua mestra.

Alícia fechou os olhos e deixou-se conduzir por Eileen, então ela puxou uma mesinha que estava sobre um canto e colocou algumas velas pretas, no chão fez um círculo com um giz especial e dentro dele fez alguns símbolos. Pegou um colar que Wilton havia

esquecido em sua casa e colocou também sobre círculo, em sua mão esquerda estava seu athame e em sua frente o livro com os dizeres. Então em pé e com um ódio imenso no coração ela iniciou:

“ Antigos espíritos que aqui habitam, escutem-me,

Estou pronta para este sacrifício, oh antigos mestres

Das paixões, dos amores e da luxúria, eu os invoco.

E para isso eu ofereço, meu espírito, meu corpo e meu sangue”.

Nesse momento Carlos que estava em sua mesa de trabalho, sentiu uma energia poderosa e ruim, e ele sabia que do que se tratava, era o livro proibido de Sarah. Alguém estava realizando o ritual proibido e só poderia ser Alícia. Então desesperado ele pegou suas coisas e partiu o mais rápido para sua casa. Enquanto isso Alícia mantinha-se imóvel, ela deveria derramar seu sangue para que o ritual desse certo, porem como ela sempre teve enjoos ao ver sangue, sentiu-se tonta só de pensar em se cortar.

-Nem para isso eu sirvo! Pensou ela desanimada. Então ela se desligou de Eileen que irada, tentava convencê-la a continuar, mas sobre o efeito do círculo mágico os poderes de Eileen não conseguiram afetar sua mente. Triste e sozinha Alícia começou a desfazer o que havia feito, mas esqueceu de fechar o círculo, saiu dalí e foi para eu quarto. Quando seu tio Carlos chegou, ela estava deitada e ele ficou sem entender, sabia que sentira aquela vibração e que só Alícia conseguiria ritualizar tal poder. Mas como ela estava deitada e ele notou que a porta do porão estava fechada, ficou mais calmo, talvez por ter abandonado a magia suas percepções estavam fracas, pensou ele. Aproveitou que estava em casa, tomou um banho e adormeceu.

Alícia estava feliz com Wilton, suas bocas se beijavam perdidamente e seus corpos nus sobre a grama, vibravam de emoção naquela manhã, ela se sentia como uma rainha e ele era seu rei. Quando o relógio despertou, as sete da manhã, Alíca se dera conta que estava em um sonho. Levantou-se mau humorada, detestava ter aqueles sonhos com Wilton. Tomou seu café quieta e seu tio notou que ela estava diferente, mas fez que não notou nada. Depois que ela saiu ele apenas comentou com sua esposa:

– Achou Alicia diferente hoje? Perguntou ele um pouco impressionado.

– Não! Acho que talvez sejam as provas de fim de ano! Disse Dalva tranquilamente. Alguma coisa incomodava Carlos naquela manhã e ele sentia a presença de Eileen, mas preferiu evitar pensar nela. Ele então pensou:

– Eu levo essa menina para escola e volto para casa, eu preciso ter certeza de que tudo estava normal. E assim foi. Largou Alicia e estava voltando quando alguma coisa chamou sua atenção. Parou e viu a imagem daquela linda ruiva abanando sensualmente para ele, sem se dar conta de quem era, bateu seu carro bruscamente.

Na escola Alíca entrou um pouco incomodada, parecia que alguma energia pesada estava sobre ela. E com muito custo conseguiu aguentar até o recreio. Quando o sinal tocou ela saiu da sala para tomar um ar e sem querer esbarrou em Anastácia.

– Olha por onde anda sua tonta! Gritou Anastácia, chamando a atenção dos demais.

– Foi sem querer garota! Precisa gritar tanto? Respondeu Alícia com olhar firme.

– Deve ter sido mesmo né? Com certeza fez isso porque está com inveja de eu estar com o Will! Disse Anastácia com ar de deboche. E nesse momento a maioria dos alunos já estavam em volta delas gritando.

– Não vou perder meu tempo com você garota, dê o fora daqui ou me deixe passar. Alícia sentia seu sangue ferver e aquela sensação pesada aumentar.

-Plaft!!! Anastácia deu um tapa na cara de Alícia dizendo:

– Cala essa boca, desde quando uma otária feito você me diz o que fazer?

Alicia não pensou duas vezes pulou em cima de Anastácia e começou a deferir socos e chutes em todo seu corpo, enquanto a outra apenas gritava. De repente Wilton apareceu e separou as duas.

– Chega! Vocês estão loucas? Gritou ele.

– Eu estava quieta aqui, essa sua namoradinha que veio me encher. Mas agora ela sabe que não pode se meter comigo! Respondeu Alicia rindo. Virou-se e estava indo para dentro do colégio, quando Anastácia se soltou de Wilton com um canivete na mão pronta para cortá-la. E sobre um grito de cuidado, Alicia se virou e conseguiu colocar a mão direita na frente, fazendo com que a lâmina atravessasse sua mão. Seu sangue começou a escorrer fortemente, e quando tocou no chão, ela sentiu que algo havia mudado. Trovões e raios rasgaram o céu, os olhos de Alicia estavam escuros, todos olhavam para ela assustados. Alguns começaram a correr para as salas, enquanto Wilton e Anastácia olhavam para ela assustados. E então com uma risada assustadora ela ergueu as mãos como que agradecendo a liberdade. Era Eileen que estava de volta no mundo material. E dessa vez para ficar.

separadorBlog

Continua

2 comentários em “Paixão Obscura (Pt. 8) – O Despertar

Gostou? Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s