Amigos de Outrora (Pt.5) – Desejo

Desejo

Amigos de Outrora (Pt.5)

Desejo

Escrito por: Zuleika Juliene

  Fui envolvida por algo mais que paixão, maior que desejo, ele não precisou fazer nada para que eu me entregasse toda a ele ali mesmo no fim da escada. Naquele instante não sabia mais quem eu era, onde estava, nada me importava só ele e ele soube bem fazer o seu papel com uma delicadeza que tomou a minha alma, sim, naquele momento senti ser tão dele que ele conseguiria qualquer coisa de mim, eu já era completamente sua escrava e ele estava ciente disso.

  Passamos a noite toda juntos, eu me sentia em transe e em algum momento ali, momento este que nem eu consigo definir qual foi, eu me perdi, não era mais a Lara, era outra pessoa, alguém que tinha um único objetivo – seguir aquele homem onde quer que fosse.

  Acordei sobressaltada e com vários fantasmas me assombrando, estava confusa como se tivesse tomado algum tipo de entorpecente, mas sabia que não tinha tomado nada, nada além dele. Tive receio sobre o que Dona Cida iria pensar ou se meus tios já tivessem chegado, estava na cama de Glauco, mas ele não estava lá…

  Levantei correndo e corri até meu quarto, mas a porta estava trancada, então respirei fundo e desci as escadas, Glauco já me esperava com um lindo desjejum, havia três novas empregadas em pé ao redor da mesa que além de repleta de geléias, queijos e frutas estava lindamente adornada com orquídeas vermelhas. Ele continuava a me olhar como examinador, envolto a um mistério que me despertava sede de desvendar.

  – Sente-se Lara, tudo aqui é para você.

  Olhei as moças, todas muito novas e também muito bonitas, mesmo uniformizadas não aparentavam pertencer àquela posição.

  – Onde está Dona Cida?

  – Férias… Dei férias a ela, creio que há muito tempo ela não as tira. Mas não se preocupe, contratei novas funcionárias.

  – Mas…

  – Disse para não se preocupar, eu cuidei de tudo.

  – Seus pais…

  – Não virão agora, eu cuidei de tudo.

  Disse isso sussurrando em meu ouvido e me abraçando tão forte que por um instante tive medo.

  Perguntei a ele o motivo de o meu quarto estar trancado e ele me respondeu com um simples:

  – Porque agora você me pertence.

  Disse isso abaixando delicadamente a alça da minha camisola e me jogando de súbito em cima das geléias, onde saboreou seu café da manhã, ali mesmo na frente de todos.

  No começo me senti incomodada, mas ele tinha poder sobre tudo, principalmente sobre mim e por esta razão fez tudo que tinha que fazer ali mesmo na frente das empregadas que não se atreveram a sair sem permissão.

  Nos dias que se seguiram me senti ociosa e apreensiva, pois ele não queria que eu fizesse serviços de casa e nem mesmo que conversasse com as empregadas, ele se trancava por horas no quarto e às vezes não descia nem para almoçar, às vezes pedia para que eu colhesse algumas plantas para ele, ou que fosse ao centro buscar alguma encomenda que normalmente estava muito bem embrulhada, mas quando eu ia sempre era correndo, pois ele sempre tinha extrema urgência e quando voltava era sempre igual, momentos intermináveis de ócio e solidão.

  Esta situação já estava me enfraquecendo quando em uma noite eu lembrei que minha avó sempre dizia que nos momento difíceis devíamos orar para nosso anjo da guarda, que certamente ele escutaria e nos daria uma resposta, então em uma daquelas noites após servir ao meu senhor orei e pedi sabedoria para discernir onde eu estava errando, queria que ele me amasse como eu o amava, queria que ocupasse seu tempo comigo, que sentisse tudo o que eu sentia.

  Na manhã seguinte quando ia descer para o café escutei muitos ruídos vindos do meu antigo quarto e entre gargalhadas e gemidos reconheci a voz de Glauco. Não conseguia acreditar que ele estava com outra, fiquei ali parada e o ar começou a me faltar, então escutei mais duas vozes de mulheres, desci as escadas correndo e trombei com Lisa, uma das empregadas novas que Glauco havia contratado.

  – Ia mesmo chamar a senhora, pois telefonaram…

  – Quem ligou?

  – Uma moça chamada Daniela.

  Lembrei de tantos momentos doces que tive antes de tudo aquilo estar acontecendo, de como a Dani era minha amiga e o quanto eu havia me distanciado dela após ter ido para aquela casa, senti um ímpeto de retornar a ligação, de contar a ela tudo o que eu estava passando naqueles últimos dias, mas tive receio de pela primeira vez na vida ela não me compreender, então pedi a Lisa que se ela voltasse a ligar que dissesse que eu estava viajando.

  Sai para caminhar um pouco, estava tão perturbada que nem me preocupei em me vestir, sai andando a esmo, tentando entender minhas falhas, minha vida e quando dei por mim estava no caminho que dava na casa de Seu Tonho, então decidi ir até lá, talvez as respostas que eu estava procurando pudessem ser respondidas por ele, porém quando cheguei desmontei indo ao chão.

  Não havia casa alguma, apenas aquele descampado imenso.

  Continuei no chão e fechei meus olhos bem forte pedindo que tudo aquilo não passasse de um sonho, orando para que na hora em que os abrisse estivesse deitada na sala da minha avó e que nada daquilo tivesse acontecido, não queria abrir os olhos, estava apavorada, com medo daquela realidade, com medo do que minha vida havia se tornado. Fiquei ali quieta por horas até que senti uma mão me sacudir.

  Olhei para cima depressa e então avistei uma moça morena de cabelos longos e cacheados, não consegui me ater sobre a roupa, pois o choque com a claridade me impossibilitou, então ela disse:

  – Lara, sou seu anjo da guarda, me chamo Akieluz, estou com você há muito tempo, pra falar a verdade em todas as vidas.

  – Pensei que anjos fossem homens.

  – Anjos não têm sexo, você me vê na forma feminina porque sua segurança sempre veio de mulheres, você sempre confiou mais nelas. Olha Lara vim te alertar, estou te vendo afundar cada dia mais, chegará um ponto em que não conseguirá mais voltar.

  -Não sei o que estou fazendo de errado.

  Enquanto eu falava lagrimas rolavam pelo meu rosto seguidas de soluços sem que eu fizesse nenhum esforço.

  – Tem coisas que você não sabe, mas posso te afirmar que Glauco não é quem você pensa, você entendeu tudo errado. Aqui neste mundo não é permitida a relação de vocês e mesmo que fosse, essa não é a sua missão. Ele é uma pessoa que errou e que caiu na escuridão, seus pensamentos e suas ações conspiram constantemente para o mal, tudo que você tem que fazer é descobrir e resgatá-lo, puxá-lo de volta deste abismo.

  – Então me diga, seja mais clara. O problema é que todas as pessoas querem me dar enigmas, todos falam o tempo todo por metáforas, eu não entendo, eu não sei mais o que fazer. Por que não posso ficar com ele? Senti que entre nós há uma conexão forte e o que eu senti não é falso, não é uma mentira, não está errado!

  – Sim, há uma conexão muito forte, mas não a que você quer acreditar, eu não posso te falar muita coisa, não é da minha alçada, tudo que posso fazer é te guiar. Vasculhe a casa, todas as informações que precisa estão lá.

  – Mas…

  – Meu tempo acabou, lembre-se que estarei sempre com você, tentarei te intuir ao máximo, mas não tenho permissão para continuar nesta forma humana e Lara, aconteça o que acontecer saiba que você precisará ser muito, mas muito forte.

  E mal eu pisquei ela desapareceu.

 Continua

2 comentários em “Amigos de Outrora (Pt.5) – Desejo

Gostou? Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s