A Visita de Tor a Jotunheim, O País dos Gigantes

Texto extraído do livro: O Livro de Ouro da Mitologia, de Thomas Bulfinch

mn-mjolthormart

Certo dia, o deus Tor, com seu criado Tialfi e acompanhado por Loki, partiu  para uma viagem ao país dos gigantes. Tialfi era o mais veloz na carreira de  todos os homens. Carregava a mochila de Tor, que continha as suas provisões.

Quando chegou a noite, eles se viram numa imensa floresta e procuraram, em  todos os lados, um lugar onde pudessem se abrigar, chegando, afinal, a um  grande palácio, com uma entrada que ocupava uma de suas fachadas inteira. Ali  se deitaram para dormir, mas à meia-noite foram alarmados por um tremor de  terra que sacudiu todo o edifício. Tor, levantando-se, chamou os companheiros  para procurarem, com ele, um lugar seguro. A direita encontraram um aposento  adjacente, no qual os outros entraram, enquanto Tor ficava à porta empunhando  seu malho, disposto a defender-se se acontecesse alguma coisa. Ouviu-se,  durante a noite, um terrível rugido e, ao amanhecer, Tor saiu e encontrou  estendido perto de si um enorme gigante que dormia e roncava, produzindo o  rugido que o assustara tanto. Conta-se que, pela primeira vez, Tor teve medo de  se utilizar de seu malho e, como o gigante tivesse acordado, limitou-se a  perguntar-lhe o nome.

— Chamo-lhe Skrymir — disse o gigante. Mas não preciso perguntar teu  nome, pois sei que tu és o deus Tor. O que aconteceu, porém, com a minha luva?

Tor percebeu, então, que aquilo que tomara, durante a noite, por um  palácio, era a luva do gigante, e o quarto onde seus companheiros se haviam  refugiado, o dedo polegar da luva. Skrymir propôs, então, que viajassem juntos  e, tendo Tor concordado, eles se assentaram para fazer a refeição matinal, depois  do que Skrymir arrumou todas as suas provisões em uma mochila, que atirou às  costas, e pôs-se a caminhar à frente dos outros, que só a custo acompanhavam  seus passos enormes.

Assim viajaram durante todo o dia; ao anoitecer, Skrymir escolheu um  lugar para passarem a noite, sob um grande carvalho, e disse aos outros que iria  deitar-se para dormir, acrescentando:

— Ficai com a minha mochila e preparai vossa ceia.

Dentro em pouco, o gigante estava dormindo e roncando, mas Tor,  tentando abrir a mochila, verificou que Skrymir a amarrara tão bem que era  impossível desatar um único nó. O deus acabou se irritando e, agarrando o
malho com ambas as mãos, desfechou uma furiosa pancada na testa do gigante.  Skrymir, acordando, limitou-se a perguntar se havia caído alguma folha em sua  cabeça e se eles haviam ceado e já iam dormir. Tor respondeu
que já iam dormir e, assim dizendo, foi se estender embaixo  de uma outra árvore. Não conseguiu, porém, conciliar o  sono e, quando Skrymir recomeçou a roncar com tanta força  que o ruído ecoava pela floresta, ele se levantou e,  segurando o malho desfechou uma pancada com  tanta força no crânio do gigante que produziu uma profunda depressão.

— Que aconteceu? — gritou  Skrymir acordando. — Há  pássaros empoleirados nessa  árvore? Senti um pouco de  musgo dos ramos cair em  minha cabeça. Que tens, Tor?

Tor tratou de afastar-se  rapidamente, dizendo que acabara de acordar, e que, como era apenas meia-noite, ainda havia tempo para dormir. Estava  disposto, porém, a chegar a uma decisão, se tivesse oportunidade de desfechar  uma terceira pancada.

Pouco antes do amanhecer, percebeu que Skrymir dormira de novo e,  mais uma vez, pegou o malho e deu uma pancada com tal violência que o  mesmo penetrou na cabeça do gigante até o cabo. Skrymir, porém, sentou-se e
esfregando a cabeça, exclamou:

— Uma bolota caiu em minha cabeça. O quê? Estás acordado, Tor? Acho  que já é hora de nos levantarmos e nos vestirmos. Mas não tendes de andar  muito para chegardes à cidade chamada Utgard. Eu vos ouvi sussurrando uns  para os outros que não sou um homem de pequenas dimensões. Ao chegardes  em Utgard, porém, vereis muitos homens mais altos do que eu. Aconselho-vos,  portanto, quando ali chegardes, a não terdes confiança demasiada em vós  mesmos, pois os seguidores de Utgard-Loki não admitirão fanfarronadas de  criaturinhas tão pequenas quanto vós. Deveis seguir a estrada que segue para  leste e a minha vai para o norte. Portanto devemos aqui nos separar.

Assim dizendo, atirou a mochila aos ombros e, virando as costas, entrou  na floresta, deixando Tor sem nenhuma vontade de detê-lo e pedir-lhe para  continuar fazendo-lhes companhia.  Tor e seus companheiros seguiram viagem e, por volta de meio-dia,  avistaram uma cidade no meio de uma planície. Era tão alta que eles foram obrigados a dobrar a cabeça até quase os ombros para poder avistá-la até em  cima. Continuaram a andar e entraram na cidade e, avistando diante deles um  grande palácio com a porta escancarada, nele penetraram e ali encontraram um  certo número de homens de estatura prodigiosa, sentados em bancos, em um  salão. Continuando a caminhar, chegaram diante do rei, Utgard-Loki, a quem  saudaram com grande respeito.

— Se não me engano, este rapazola ali deve ser o deus Tor — disse o rei,  encarando-os com um sorriso zombeteiro.

Depois, dirigindo-se a Tor acrescentou:

— Talvez valhas mais do que pareces. Em que tu e teus companheiros vos estacais, pois não tem permissão de permanecer aqui quem não se destaca, desse ou daquele modo, sobre os outros homens?

— O que sei com perfeição — disse Loki — é comer mais depressa do que qualquer outra pessoa, e estou disposto a oferecer uma prova, enfrentando  qualquer um que seja escolhido para competir comigo.

— Será uma qualidade levada em conta, se conseguires fazer o que prometes, e vamos tentar agora mesmo — replicou o Utgard-Loki.

Ordenou, então, que se aproximasse e experimentasse sua capacidade, em  comparação com Loki, um homem que estava sentado na extremidade do banco  e que se chamava Logi. Tendo sido colocado no salão um recipiente cheio de carne, Loki colocou-se de um lado do mesmo e Logi de outro lado, e cada um
começou a comer tão depressa quanto podia, até os dois se encontrarem no meio  do recipiente. Verificou-se, porém, que Loki comera apenas a carne, ao passo  que seu adversário devorara tanto a carne quanto os ossos. Assim todos os  presentes proclamaram que Loki fora vencido.

Utgard-Loki perguntou, então, que façanha seria capaz de executar o  jovem que acompanhava Tor. Tialfi respondeu que correria a tal velocidade que ninguém seria capaz de se emparelhar com ele. O rei observou que tal capacidade era algo que realmente podia ser apresentado, mas que, para vencer a competição, o jovem precisaria ser muito ágil. Levantou-se, então, e dirigiu-se, com todos os presentes, a uma planície onde havia um bom terreno para corrida, e, chamando um jovem por nome Hugi, ordenou-lhe que disputasse uma corrida
com Tialfi. Na primeira corrida, Hugi ficou tão à frente de seu concorrente que o alcançou por trás, não muito distante do ponto de partida. Correram uma segunda e uma terceira vez, mas Tialfi não foi melhor sucedido.
Utgard-Loki dirigiu-se a Tor: que façanha estaria disposto a executar para provar que merecia, realmente, a fama que tinha? Tor respondeu que disputaria uma prova de bebida com qualquer um. Utgard-Loki mandou seu copeiro buscar o grande chifre que seus seguidores eram obrigados a esvaziar quando alguns deles cometiam qualquer falta que implicasse violar os costumes do festim.  Tendo o copeiro apresentado o chifre a Tor, Utgard-Loki explicou:

— Quem é bom bebedor, esvazia esse chifre de um só gole, embora a maior parte dos homens o esvazie de duas vezes, e os fracos só o consigam de três.

Tor olhou para o chifre, que não era de tamanho descomunal, embora muito comprido. Como estava sedento, levou-o aos lábios e bebeu durante o maior tempo que pôde, a fim de não ser obrigado a tomar um segundo gole, mas, quando afastou o copo dos lábios e o olhou, percebeu que a bebida mal havia diminuído. Depois de respirar com força, Tor tentou outra vez, com toda a energia, mas após afastar o chifre da boca teve a impressão de que bebera ainda menos que da vez anterior, conquanto a bebida já não respingasse agora.

— E então, Tor? — exclamou Utgard-Loki. — Não deves te poupar; se queres esgotar o chifre no terceiro gole, precisas beber muita coisa, e devo dizer que não serás considerado aqui um homem tão forte quanto és em tua terra, se não executares outras façanhas melhor do que estás executando esta.

Furioso, Tor levou novamente o chifre aos lábios, e fez o possível para  esvaziá-lo; mas, ao olhar a bebida, viu que ela estava apenas  um pouco mais baixa. Assim, resolveu não tentar outra vez e devolveu a vasilha ao copeiro.
— Agora estou vendo que não és o que julgávamos que fosses -disse Utgard-Loki. Poderás, no entanto, tentar outra façanha, embora me pareça que não tens condição para conquistar qualquer prêmio.
— Que experiência propões agora? — perguntou Tor. — Costumamos praticar aqui uma brincadeira da qual participam somente as crianças — respondeu Utgard-Loki. Consiste apenas em levantar meu gato do chão, e eu não me atreveria a propor tal coisa ao grande Tor, se já não tivesse observado que não és, de modo algum, o que esperávamos.  Mal acabara de falar, um grande gato  cinzento entrou no salão. Tor segurou-o pela barriga e fez o possível para levantá-lo do chão, mas o gato, recurvando as costas, tornou vãos todos os esforços do deus, que não conseguiu levantar senão uma pata do animal. Vendo isso, Tor desistiu de fazer nova tentativa.

— A experiência deu o resultado que eu esperava — disse Utgard-Loki. O gato é grande, mas Tor é pequeno em comparação com nossos homens.

— Pequeno como sou — retrucou Tor —, deixa-me ver quem de vós, agora que estou enfurecido, estará disposto a lutar comigo.

— Não vejo ninguém — disse Utgard-Loki, olhando para os homens sentados nos bancos — que não se julgasse diminuído lutando contigo. Deixarei, contudo, que alguém vá chamar a velha Elli, minha ama, e Tor lutará com ela se quiser. Ela já lançou ao chão muitos homens como tu, Tor.

Entrou no salão, nesse momento, uma velha desdentada, a quem Utgard-Loki deu ordens de lutar com Tor. Não é preciso dizer que, por mais que Tor se esforçasse, não conseguiu derrubar a velha. Depois de uma violenta luta, Tor começou a ceder terreno, e afinal caiu ajoelhado. Utgard-Loki disse-lhe, então, para desistir, acrescentando que Tor não teria mais oportunidade de lutar com outra pessoa e que já estava ficando tarde; levou Tor e seus companheiros para os aposentos em que eles passaram a noite.

Na manhã seguinte, ao nascer do dia, Tor e seus companheiros vestiram-se e preparam-se para partir. Utgard-Loki mandou servir uma mesa repleta de iguarias e bebidas. Depois do repasto levou os hóspedes até a porta da cidade, e, antes que aqueles partissem, perguntou a Tor o que achava de sua viagem e se havia encontrado algum homem mais forte do que ele próprio. Tor respondeu que não podia negar que se sentia envergonhado.

— E o que mais me aborrece — acrescentou — é que podeis me chamar de uma pessoa de pouco valor.

— Não — disse Utgard-Loki. — Agora que estás fora da cidade, posso dizer-te a verdade: enquanto eu viver e mandar, jamais entrarás aqui de novo. E, palavra de honra, se eu tivesse sabido antes que tinhas tanto vigor e me levarias tão perto do revés, não teria permitido que aqui entrasses desta vez. Fica sabendo, portanto, que te iludi durante todo o tempo, com minhas artimanhas. Primeiro, na floresta, amarrei a mochila com arame para que não pudesses desamarrá-la. Depois, tu me deste três pancadas com teu malho. A primeira, embora a mais fraca, teria terminado com meus dias se me tivesse atingido, mas deslizei para um lado e tuas pancadas atingiram a montanha, onde abriram três fendas, uma das quais de grande profundidade. Lancei mão de recursos semelhantes, nas provas que disputastes com meus homens. Na primeira, Loki, como a própria fome, devorou tudo que tinha diante dele, mas Logi era, na realidade, nada menos que o Fogo e, portanto, consumiu não apenas a carne mas o osso que a sustenta. Hugi, com quem Tialfi disputou a corrida, era o Pensamento, sendo impossível para Tialfi correr na mesma velocidade que ele. Quando tu, por tua vez, tentaste esvaziar o chifre, executaste uma façanha tão maravilhosa que, se eu a não tivesse visto, não teria acreditado. De fato, uma das extremidades daquele chifre ia dar no mar, que tu não conseguiste esgotar, mas, quando chegares à praia, perceberás quanto do mar foi por ti bebido. Realizaste uma façanha não menos maravilhosa com o gato e, para dizer-te a verdade, quando vimos que uma de suas patas estava acima do chão, nós todos ficamos horrorizados, pois o que julgavas ser um gato era, na realidade, a serpente do Midgard, que rodeia a Terra e foi tão distendida por ti que mal conseguiu rodeá-la entre sua cabeça e sua cauda. A luta com Elli não constituiu façanha menos admirável, pois jamais houve um homem ou haverá que, mais cedo ou mais tarde, não acabe sendo vencido pela Velhice, e era isso que Elli era realmente. Agora, porém, que vamos nos separar, deixa-me dizer-te que será preferível para nós que jamais te aproximes de mim novamente, pois, se assim fizeres, defender-me-ei, outra vez, por meios de artimanhas, de modo que desperdiçarás teus esforços e não adquirirás fama lutando comigo.

Ouvindo tais palavras, Tor, enfurecido, levantou o malho e teria desfechado uma pancada, se Utgard-Loki não tivesse desaparecido. Quando voltou à cidade para destruí-la, Tor nada encontrou além de uma verdejante planície.

~Fim~

Texto extraído do livro: O Livro de Ouro da Mitologia, de Thomas Bulfinch

Gostou? Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s